Seguidores

Visitantes ONLINE

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015


LUTO NA GMBH


Nota de pesar
É com muito pesar que o Singuardas/MG comunica que faleceu o Guarda Municipal Humberto de Jesus Ferreira , em acidente na MG 30 em Nova Lima. O Sindicato lamenta a morte do Guarda Municipal Humberto de Jesus Ferreira e manifesta condolências a todos os familiares e amigos
Humberto de Jesus Ferreira, tinha 36 anos, era Guarda Municipal de Belo Horizonte estava no coletivo que seguia para a capital a trabalho. Ele teria sido arremessado para fora do coletivo e faleceu. Ele trabalhou por três anos na GM de Nova Lima, e atuava na corporação de BH há cerca de oito anos. Humberto era casado e deixa três filhos. 



quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

 Novo grupo de Operações Especiais da Guarda Municipal de Curitiba (Força Tática Operacional).

Conforme anunciamos em 08/01/2015 um novo Grupo de Operações Especiais, 
pode dar inicio neste ano de 2015, este grupo já começa a tomar forma e vem para 
somar em favor a segurança pública, juntamente com os demais Grupos existentes 
hoje em nossa corporação. 
Fotos Fonte Facebook

Eu GM Reginaldo Diniz, particularmente tenho muita orgulho 
da nossa instituição e aprecio a 
criação desta nova equipe, creio que só vem a somar em nossa 
instituição e em favor da população de bem.


  Esta é a Força Tática da 

Guarda Municipal de Arapongas PR

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

30/01/15 - Por Dennis Guerra: Na tarde desta sexta (30) a equipe da 
ROCAM do 29° localizou um suspeito pelo assassinato da GCMF 
Paola. Saiba mais ao final desta matéria. Aproveitando esse momento,
 (Postagem original em 29/01/15) Na tarde de hoje, ocorreu o 
sepultamento da GCMF Ana Paola Teixeira - Mãe, esposa, 
filha, amiga... guerreira. Não quero aqui simplesmente reportar uma 
notícia - quero ir além e compartilhar sentimentos. Faço isso em 
nome de algo que considero um divisor de águas. Hoje estou exausto - 
emocionalmente - mas não posso deixar isso para outro momento. 
Ontem, por volta das 21:00, quando seguia para o velório, sentia uma 
sensação estranha. Foi naquela 



região que iniciei na GCM. Ali, reencontrei colegas daquela época - lembranças do início na atuação policial.
Lembro-me da Paola. Lembro-me do início do relacionamento entre ela e o Roberto. Lembro-me de ambos 
juntos. Os anos passaram e eles constituíram uma linda família. Conforme chegavam as informações dessa 
tragédia naquela manhã, as reações das pessoas seguiam na mesma proporção. Tamanha indignação não se 
limitaria aos colegas da GCM/SP, além dos familiares, é claro. Ela se estendia a integrantes de outras forças 
policiais. Ela repercutira por uma parcela da sociedade que ainda consegue vislumbrar o momento crítico que 
vivemos. Era mais um crime covarde, cruel e indigno da raça humana.

Durante a entrevista concedida pelo marido da vítima ao programa Brasil Urgente, eu me peguei pensando: eu 
não seria capaz de transmitir tanta luz em minhas palavras. Quem seria capaz de ter tanta iluminação 
espiritual em um momento como aquele? Ele foi capaz. Na manhã de hoje, as movimentações vistas para 
comparecer ao velório foi outro fato de de imensa importância. Infelizmente, já estive presente em muitos 
momentos como esse, mas em poucos presenciei algo assim. Isso significa que os outros tiveram menos
importância? Lógico que não. Isso significa que algo precisa ser feito, pois não aguentamos mais! 


"Quinta feira, 29 de Janeiro, 09:30 horas, Saindo agora da Igreja Batista pela Av. Buturussú, onde está 
ocorrendo o velório da GCM Ana Paolla Teixeira que foi morta ontem com tiros na cabeça, onde fui 
prestar minhas condolências e meu apoio a toda família e aos amigos GCM que se encontravam 
presentes. Uma situação muito triste, que nos deixa sem qualquer palavra de consolo para 
o marido, os dois filhos e demais familiares e amigos que perderam uma pessoa tão querida. 
O pior é que nada é feito para evitar esse genocídio de policiais que está ocorrendo. Tenham certeza 
de que continuarei na batalha para mudar essa hipocrisia nacional..." Por Deputado Estadual Paulo 
Telhada -Facebook

No velório, as palavras do pastor foram um alento. O subcomandante da GCM/SP, Inspetor Vanderlei, 
estavam abaladas pela dor. Mais uma vez, o Roberto, juntamente com o seu filho (um sobrevivente, já na 
tenra idade, considerando que o algoz de sua mãe ainda tentou assassiná-lo) foram além das possibilidades.


Não eram eles que precisavam de alento. Éramos nós, e eles nos confortaram... 

Algo além disso me chamou a atenção: a família permitiu durante todo o tempo a presença de equipes de jornalismo no local. Normalmente, os familiares preferem preservar tais momentos. Eles fizeram diferente, como se aquilo servisse como um alerta para nós policiais, para a sociedade, para a própria mídia e para os governantes.


"Em homenagem a essa mulher guerreira, virtuosa, valorosa, mãe, esposa e profissional. Paola você foi um anjo azul entre nós e como anjo iluminado volta para os braços do pai". Por Luciane Miquelin


 


O cortejo foi algo que, no íntimo, não te deixa esquecer a importância da vida policial e o que ela significa. Cerca de 1000 metros da avenida tiveram o seu trânsito desviado para alocar as inúmeras viaturas e veículos particulares que participariam do cortejo. Além de São Paulo, equipes das guardas municipais de Ferraz de Vasconcelos, Santo André, Guarulhos, Itaquaquecetuba e Polícia Militar estiveram presentes. Só podemos dizer muito obrigado!








Durante o sepultamento, sociedade civil, guardas municipais, representantes do legislativo municipal (Vereador Ari Friedenbach e Vereadora Edir Sales) e policiais militares compartilhavam tristeza, indignação, dor... e esperança.































Fotos: Dennis Guerra e Cipriano

Esperança de que nós, como sociedade, possamos dar um basta em tanta violência e impunidade. 
Esperança de que famílias não sejam destruídas, esperança de que o mal não vença, nunca!

E durante uma breve conversa, um colega desabafou: "Infelizmente, amanhã tudo isso será esquecido.
 A página será virada. Uma outra vítima chamará a atenção... eu vejo isso a anos. Isso ocorre a cada
 assassinato - a cada execução".

Eu, como muitos, espero ver nesse momento um divisor de águas. Que as mudanças se iniciem por nós
 mesmos. Nós, policiais - independente do uniforme - e sociedade, tomemos as rédeas desse jogo. Ele 
está pesando apenas para um lado. Temos que reverter essa situação. 

"Por um atentado em outro país, o mundo se comoveu. Por um traficante, presidentes e embaixadores
 ficaram estarrecidos. E por mais uma vítima da criminalidade, da covardia, da mais deplorável 
demagogia e benefícios aos mau-feitores, poucos ficam indignados. Onde estão os cartazes com 
dizeres fortes? Onde está a mídia, a não ser para o sensacionalismo? Onde está a indignação 
que a pouco adentrava aos nossos lares? Hipócritas e demagogos, infelizmente estamos no Brasil". 
Por Flávio - WhatsApp

Para que isso ocorra, nós policiais temos que iniciar uma pequena revolução. Uma revolução interior, em 
cada um de nós: uma infinidade de atitudes pequenas, incompetências micro e macro, comportamentos 
mesquinhos, devem ser postos de lado. O material humano deve ser o ponto principal - e não políticas 
passageiras. A preocupação com o colega deve ser algo inerente à função. Essa preocupação deve ser
 institucionalizada sim, mas deve começar por nós. 

Além disso, políticas eficazes de combate ao crime - que não cairão do céu, mas pressionando os nossos 
governantes. Legislação que não proteja o criminoso, e sim a vítima. É imprescindível uma reforma séria 
na Justiça brasileira - que só perde em efetividade/incompetência para países em estado de catástrofe ou em
 guerra.

Quando isso acontecer, parceiro, aí sim seremos um. Quando o meu interesse estiver abaixo do interesse 
coletivo, só então poderemos reverter tudo isso.

Até lá, quem dentre nós será a próxima vítima? 

Eu, sinceramente, não sei se era o melhor que eu poderia escrever 
agora. 
Mas é a única coisa que consigo pensar.


O Repórter Fotográfico GCM Sérgio IR-CT fez a última entrevista com a 
GCMF Paola

Na ocasião da SIPAT - Ermelino Matarazzo



O Dia 

E hoje foi assim ... dia de comoção ...
Dia de emoção a flor da pele
Dia de dor de revolta dia de adeus
Dia pra se esquecer
Dia de ser lembrado todos os dias
Dia que faltou ate fôlego
Dia que a ultima nota não veio
Dia que não deu pra segurar o choro
Dia que sugou tudo de mim
Dia que me faltou forças
Dia de contrição
Dia de luto
Dia de velório
Dia de pêsames
Dia de sepultamento
Dia que a vida se curvou pra morte
Dia de repensar valores
Dia pra refletir na vida
Dia pra não se acostumar jamais
Dia de ver ali um corpo imóvel
Dia de desejarmos viver
Dia dessa certeza não nos deter
Dia de quem ali jaz
Que dias assim não se tornem cotidianos


Por Elieser Santos



Para que a sociedade nunca esqueça quem são os seus guardiões!

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

SINDGUARDAS-MG protocoliza oficialmente  na SEDS conforme solicitado pelo Secretário de Defesa Social Bernardo Santana, o pedido fundamentado de inclusão das Guardas Municipais de Minas Gerais no REDS.










“A vitória é o principal objetivo na guerra. Se tardar a ser alcançada, as armas embotam-se e a moral baixa.” 
―Sun Tzu

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

LEI 13060/14 DISCIPLINA O USO DE INSTRUMENTOS DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO

- See more at: http://gcmsbo.blogspot.com.br/2015/01/lei-1306014-disciplina-o-uso-de.html#sthash.htMduns7.dpuf

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

SINDICATO DOS GUARDAS MUNICIPAIS SE REÚNE COM SECRETÁRIO DE DEFESA SOCIAL

22 de Janeiro de 2015


Reunião com Secretário de Defesa Social Bernardo Santana e subsecretário Rodrigo 
Teixeira é marcada como marco histórico na relação institucional para representação da 
categoria de Guardas Municipais do Estado de Minas Gerais.


Em virtude da grave crise e temerosa ruptura institucional provocada pelo episódio 
fatídico e ação lastimável de policiais que arrebataram um preso das mãos de uma 
equipe de guardas municipais de Belo horizonte,momento em que esta realizava uma 
ação de combate ao transporte clandestino, 
agravada pelo fato de um dos militares ter disparado um tiro de bala de borracha contra 
o rosto da GM Lilian Emiliano de oliveira, que ficou gravemente ferida; fato este, 
causador de grande perplexidade e estranheza que da monta de fatos a serem 
investigados, quanto a possível associação de policiais a atividades criminosas, demanda 
esta que solicitamos que seja encaminhada para apuração das autoridades públicas.


Afim de colaborar de forma oportuna e sensivelmente necessária, pautamos ao ilustre 
Secretário as seguintes reivindicações:


1-Solicitamos a Inserção das guardas municipais no sistema de Registros de Eventos de 
Defesa Social- REDS, em virtude da LEI 13022 de 08 de Agosto de 2014, que determina 
que as Guardas Municipais devam prender qualquer cidadão em atitude conflituosa, 
criminosa e em desacordo com as leis, encaminhando este diretamente a autoridade 
policial (delegado de polícia)


2- Solicitamos junto a esta Secretária a viabilização de convênio entre SEDS e PBH para 
prática de treinamento complementar de tiros, em unidades das forças de segurança a 
preferir por Acadepol ou Suape em face do cumprimento de pré requisitos para liberação de 
porte armas aos guardas municipais de Belo Horizonte.


Compondo a mesa o Secretário de Defesa Social Bernardo Santana , o secretário de 
Estado Adjunto de Defesa Social, Rodrigo de Melo e o subsecretário de Promoção da 
Qualidade e Integração do Sistema Integrado de Defesa Social, Maurício A. Santos, 
Deputado Lincoln Portela o Presidente do SINDGUARDAS-MG Pedro Bueno e 
executiva, o representante do sindicato dos servidores de Belo Horizonte Israel 
Arimar,e um membro da comissão de guardas SINDIBEL.



Nosso Lider partidário Deputado Lincoln Portela construindo caminho para inserção das 
Guardas Municipais de Minas no Registro de Eventos de Defesa Social - REDS