Seguidores

Visitantes ONLINE

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

SINDGUARDAS-MG SOLICITA QUE MP ACOMPANHE OS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA QUE PROCESSO DE ARMAMENTO SEJA FINALMENTE CLONCLUIDO




quarta-feira, 29 de julho de 2015

Homicídios levam mais de sete anos para serem resolvidos

Só 2,4% dos casos geram condenação, diz pesquisa do Fórum de Segurança Pública

ANDRÉ BALOCCO
Rio - A sensação de impunidade no Brasil, que cresce e alimenta ondas como as de linchamentos, tem razão de ser. Pesquisa inédita a que o DIA teve acesso com exclusividade mostra que o tempo médio entre o acontecimento de um homicídio e seu julgamento chega a 7,3 anos em cinco capitais do país. Belo Horizonte, com 9,3, lidera o ranking, à frente de Goiânia (8,3), Recife (7,1), Belém (6,2) e Porto Alegre (5,6). Os dados, que serão apresentados amanhã no 9º encontro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mostram que a Justiça tarda — e falha na hora de transmitir segurança às pessoas.
Ludmila acha que demora gera sensação de impunidade e desejo de fazer Justiça com as próprias mãos
Foto:  Reprodução
“Não funciona. Na cabeça das pessoas, esta demora gera uma sensação de impunidade que leva muitos a pensar que o melhor é fazer justiça com as próprias mãos”, diz Ludmila Ribeiro, 36, doutora em Sociologia da Universidade Federal de Minas Gerais e coordenadora do estudo, em parceria com a PUC-RS e as universidades federais de Pará, Pernambuco e Goiás. “Há um detalhe importante. De todos os homicídios que acontecem no Brasil, apenas 8% chegam aos tribunais. A impunidade é imensa.”
O drama da lentidão da Justiça aumenta quando se descobre, por exemplo, que destes 8% de casos, apenas 30% terminam em condenação — 70% são absolvidos ou arquivados. Trocando em miúdos, é como se a cada 100 homicídios, apenas oito fossem a julgamento e somente 2,4 terminassem em condenação do réu. “Ao longo do tempo se perdem as peças, os autores morrem e as provas ficam pelo meio do caminho. Precisamos mudar o processo.”
A pesquisa analisa também o outro lado da moeda, que surge com o mergulho nos casos: o da injustiça com presos cuja culpa não ficou comprovada. Para Ludmila, que pesquisou 786 casos sorteados aleatoriamente nestas capitais, em 2013, foi surpreendente o número de réus pretos, pobres e sem advogado particular para se defender. “Imagine você ficar preso em Belo Horizonte, por exemplo, por nove anos, e ser absolvido? Qual o sentimento desta pessoa? E de seus familiares? Isso faz girar o ciclo de violência.”
A pesquisa foi feita para a Secretaria de Reforma do Judiciário, do Centro de Estudos sobre o Sistema de Justiça, do Ministério da Justiça. Rio de Janeiro e São Paulo ficaram de fora desta rodada, mas em 2009, quando foram pesquisados, levavam 4,19 anos cada, em média.
Pesquisadora propõe fundir inquérito e processo
Colômbia e Chile. Vem da própria América do Sul os exemplos de reformas no Judiciário que podem ajudar a diminuir a sensação de impunidade, gerada pela demora entre a ação e sua sentença. Para Ludmila, o Brasil precisa unir o inquérito policial ao processo. Segunda ela, hoje, estes dois procedimentos para se chegar à Justiça acabam atrapalhando.
“Há vários exemplos, aqui na América do Sul, de países que resolveram este problema criando o Juizado de Instrução. Hoje, a polícia reúne provas para denunciar o autor de um crime, e a Justiça deve checar e produzir as mesmas provas novamente, quando ela vai a julgamento. Com um único juizado, vamos cortar de dois a três anos neste tempo de demora.”
A desobstrução da Justiça aconteceu na década de 90, no Chile, e na década de 2000, na Colômbia — país que já teve uma das maiores taxas de homicídio do mundo, por conta do combate à guerrilha, e que vem resolvendo o problema com uma série de medidas, entre elas a incorporação das favelas à cidade formal. “É preciso desburocratizar a Justiça.”
Governo fará ‘Pacto contra a Violência’
O 9º encontro começa hoje e vai até sexta-feira, quando o governo federal irá apresentar o seu ‘Pacto contra a Violência’, documento com metas a serem alcançadas nos próximos anos. A medida é antiga reivindicação dos organizadores do Forum Brasileiro, que insistem que o governo federal tome a frente da luta pela redução dos homicídios.
“Já temos uma média de 59 homicídios a cada 100 mil pessoas, uma das maiores do mundo. Precisamos encontrar uma solução e o governo federal fará este chamamento”, diz a socióloga Sílvia Ramos, do Cesec/Ucam, que comandará uma das dezenas de mesas do encontro. Com o tema ‘Homicídios de jovens negros’, ela estará na Mesa 5 com Raull Santiago (Alemão) e o Coronel Íbis (PM-RJ).

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Reunião Especial: SINDGUARDAS-MG promove debate democrático sobre o PL 1626/2015

Presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte Vereador Wellington Magalhães recebe proposta de emendas ao PL 1626/15 debatido em reunião da categoria no plenário Amynthas de Barros nesta quarta feira 15 de Julho de 2015.
O SINDGUARDAS-MG atendendo o anseio da categoria em debater ampla e democraticamente os projetos de interesse da categoria,por meio do seu presidente Pedro Bueno, solicitou a reunião e o apoio do presidente desta casa, para acolher as demandas de alteração no projeto. Todas emendas foram propostas pelos guardas municipais de Belo Horizonte que participaram da reunião plenária.



INTEGRA: GUARDA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE
Assista o Vídeo na Integra: Saiba quais foram as propostas apresentadas
http://webtv.cmbh.mg.gov.br/video/?m=157&id=5625
MP AVERIGUA DENUNCIA DE PRISÃO/CONDUÇÃO ILEGAL E PROMETE EDITAR TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA









sexta-feira, 10 de julho de 2015

SINDGUARDAS-MG ESTEVE COM O DIRETOR GERAL DA POLÍCIA FEDERAL- REUNIÃO DE GRANDE IMPACTO PARA TODA A CATEGORIA AZUL MARINHO


SEGURANÇA PÚBLICA] [PF] [GUARDAS MUNICIPAIS]

Nesta semana, o SINDGUARDAS-MG e o ATUANTE deputado federal Lincoln Portela (PR/MG) se reuniu com o Dr. Leandro Daiello, Diretor-geral da Polícia Federal, para tratar da PEC 534 e porte de arma da categoria. O Dr. Leandro Daiello recebeu Pedro Bueno, Renato Rodrigues Conceição e Wellington Cesário Coelho, representantes do Sindicato dos Guardas Municipais do Estado de Minas Gerais (SINDGUARDAS/MG) para tratar da questão do armamento funcional e pessoal e da PEC 534/2002, que dispõe sobre a criação da Guarda Nacional, além de definir a principal função das Guardas Municipais, um assunto polêmico na Câmara, recebendo maior atenção da PF e seus sindicatos no tocante a criação da "GN" Guarda Nacional.

A reunião teve o objetivo de criar uma ponte de entendimento, para que a PEC 534 seja aprovada, sem a possível criação da guarda nacional por meio de emenda supressiva, se necessário for.
Na oportunidade o Diretor Geral da PF prometeu adotar novo procedimento em relação aos registros de arma de fogo por guaras municipais e uma atenção criteriosa em relação ao porte de armas particular, direito consagrado deste servidor e por fim, foi acordado a possibilidade de formalização de convênio de doação de armas e veículos para as Guardas Municipais de Minas Gerais.



ATENÇÃO NAÇÃO AZUL MARINHO!


A CONGM - Conferência Nacional das Guardas Municipais do Brasil e o Sindicato dos Guardas Municipais de Minas Gerais, informa que estamos construindo uma importante Audiência Pública em Brasília, no Senado Federal, por meio do gabinete da Senadora Gleisi Hoffmann, para discutir sobre a importância da PEC 33/2014 e seus impactos no sistema de segurança pública.
Nesta importante agenda realizada com a Senadora Gleisi e o Chefe de gabinete Sr. Aroldo no dia 08/07/2015 foi formado um grupo de trabalho que realizará uma reunião preparatória no mês de Agosto, para que tenhamos uma audiência pública em meados de Setembro, com uma articulação política capaz de conduzir bons resultados para as Guardas Municipais em seu pleito.
Presidente do SINDGUARDAS-MG


quarta-feira, 24 de junho de 2015

Guarda Municipal de Belo Horizonte tem novo Comandante e recebe as boas vindas do sindicato e categoria

Rodrigo Sérgio Prates é o primeiro comandante de carreira, foi escolhido por colegas em votação aberta em assembleia geral da categoria






PARABÉNS AO PRIMEIRO COMANDANTE DE CARREIRA ANUNCIADO NA GUARDA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE
RODRIGO SÉRGIO PRATES É O PRIMEIRO NOME DA LISTA TRÍPLICE INDICADO PELO SINDGUARDAS-MG E APROVADO POR ASSEMBLEIA GERAL DA CATEGORIA 

domingo, 31 de maio de 2015

Guardas municipais reclamam de descumprimento de estatuto

Lei federal que garante direito ao porte de arma a esses profissionais não vem sendo cumprida em MG.

Comissão de Segurança Pública debateu a regulamentação e a implementação de lei federal que dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais
Comissão de Segurança Pública debateu a regulamentação e a implementação de lei federal que dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais - Foto: Alair Vieira
O descumprimento do Estatuto Geral das Guardas Municipais (Lei Federal 13.022, de 2014), sobretudo no que tange à necessidade de armamento desses profissionais, foi enfatizado em audiência da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na manhã desta quarta-feira (27/5/15). Representantes da categoria ressaltaram os riscos aos quais são submetidos, assim como os entraves que têm ocorrido em diferentes municípios para garantir a efetiva implementação da legislação federal. Participaram da audiência representantes de 14 guardas municipais.
O presidente do Sindicato dos Guardas Municipais (Sindguardas-MG), Pedro Ivo Breno da Silva, disse que os índices de violência no Brasil são superiores à média mundial. "Por isso, todo operador de segurança pública deve portar equipamentos que garantam a sua integridade e a proteção da vida, e o estatuto representa um avanço nesse sentido”, defendeu.
O sindicalista elogiou as prefeituras de Sete Lagoas (Região Central do Estado), Ribeirão das Neves e Contagem (RMBH), que já teriam efetivado a norma, garantindo os devidos armamento e treinamento para as suas guardas municipais, e denunciou a situação precária de Santa Luzia (RMBH). Ele também defendeu que os guardas municipais sejam inseridos no sistema de Registros de Eventos de Defesa Social (Reds), o que facilitaria o registro de ocorrências e a condução de detidos à delegacia.
Danúbio de Souza Machado e Alysson Ferreira Reis, respectivamente presidentes da Associação da Guarda Municipal e do Sindicato dos Servidores Públicos de Nova Lima (RMBH), destacaram o baixo efetivo da cidade e a realização de patrulha mista (em parceria com a Polícia Militar), mas com o PM armado e o guarda municipal desarmado. Eles cobraram a efetiva implementação da Lei Federal 13.022 em todos os municípios, a fim de dar melhores condições de trabalho às guardas municipais.
Profissionais fazem denúncias
Guardas municipais pedem ajuda para trabalhar
Durante a reunião, houve reclamações de uso político das guardas municipais e de abusos de poder, sobretudo por prefeitos e secretários municipais que estariam fazendo nomeações e exonerações arbitrárias, coações e ameaças. Além disso, houve denúncias de sucateamento e descaso com as guardas municipais, como estaria ocorrendo em Itatiaiuçu (RMBH).
O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Pouso Alegre (Sul de Minas) apresentou um vídeo mostrando o secretário municipal de Defesa Social coagindo os profissionais da Guarda Municipal em razão de supostas criticas que teriam sido feitas ao prefeito. Ele lembrou que a denúncia já foi feita na Câmara Municipal e apresentada ao Ministério Público, mas ainda não foram tomadas providências. E ressaltou o aumento da violência na cidade e a falta de condições de trabalho da Guarda Municipal.
Leonara Naves, guarda municipal de Três Pontas (Sul de Minas), denunciou suposta arbitrariedade que teria ocorrido em Santa Rita do Sapucaí (também no Sul do Estado) contra o guarda municipal Elivelson Soares. Segundo ela, o profissional teria sido exonerado por perseguição política. Ela entregou à comissão uma cópia do processo que, na sua avaliação, está repleto de irregularidades.
Autoridades avaliam situação das guardas municipais
O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico de Sabará (RMBH), Cléver Pinto Costa, lamentou a situação em que se encontram algumas guardas municipais. Para ele, os municípios não podem usar suas dificuldades como subterfúgio para não cumprir a Lei Federal 13.022. “Há uma grave crise de segurança, e isso significa que o momento é bastante propício para o avanço das guardas municipais no cuidar da vida”, alertou o secretário, que ainda chamou a atenção para a necessidade de se buscar também apoio do Estado.
Representando a Polícia Militar, o capitão Carlos Eduardo Lopes enfatizou que a PM não tem qualquer restrição em relação ao uso de armas pelas guardas municipais, lembrando que arma de fogo é “recurso de última instância que requer grande cuidado”. Ele destacou a necessidade de investir em treitamento e qualificação, bem como na obtenção de instrumentos eficazes para que os profissionais de segurança pública prestem um serviço de excelência.
Deputados se solidarizam com guardas municipais
Parlamentares manifestaram apoio à implementação do Estatuto das Guardas Municipais 
Parlamentares manifestaram apoio à implementação do Estatuto das Guardas Municipais - Foto: Alair Vieira
O deputado Léo Portela (PR) reafirmou o seu apoio à luta dos guardas municipais e criticou o abuso de poder de agentes públicos. “O uso político das guardas municipais pelos prefeitos é um mal que precisa ser extirpado”, defendeu. Ele propôs requerimentos de providências em relação aos problemas relatados na reunião. Ao Ministério Público, a comissão vai solicitar um termo de ajuste de conduta (TAC) com as prefeituras, de modo a assegurar o cumprimento da Lei Federal 13.022.
A deputada Celise Laviola (PMDB) e o deputado Dilzon Melo (PTB) também manifestaram apoio à implementação do Estatuto das Guardas Municipais e repudiaram condutas abusivas de agentes públicos. “Estou indignada com essa ameaça em Pouso Alegre. Quem paga os salários dos guardas municipais não é o prefeito, e sim os contribuintes”, frisou a deputada.
“Infelizmente ainda existem guardas municipais sendo organizadas sem o devido preparo, com base apenas em critérios políticos. Esses profissionais não são empregados particulares do prefeito. Eles precisam ser capacitados, bem pagos e ter respeitados os seus direitos e garantias”, ponderou o deputado Dilzon Melo.
Para o deputado Wander Borges (PSB), a situação da maioria das guardas municipais é grave. “Infelizmente não há infraestrutura, e até o vestuário está ficando em segundo plano”, lamentou.
O presidente da comissão, deputado Sargento Rodrigues (PDT), também ressaltou que é essencial que as guardas municipais sejam estruturadas, equipadas e treinadas e alertou que elas não podem ser utilizadas como instrumento político por prefeitos, secretários ou quaisquer agentes públicos. “Prefeitos não são donos das prefeituras, devem agir dentro da lei. A legalidade é o princípio primário da administração pública, mas alguns estão confundindo o público com o privado e se apropriando da instituição pública para oprimir”, lamentou.
Providências - O deputado Sargento Rodrigues apresentou requerimento de audiência pública em Pouso Alegre para apurar denúncia contra o secretário municipal de Defesa Social, além de requerimentos cobrando providências da PM em relação à situação da patrulha mista em Nova Lima. “Os dois profissionais atuam dentro de uma mesma viatura, mas com o guarda municipal desarmado; com isso, expõe-se a vida de ambos”, alertou.

sábado, 4 de abril de 2015

ranking cameraSaiu o ranking dos projetos com maior volume de manifestações no Disque-Câmara! E você? Já ligou pra gente?
Disque 0800619619 ou mande sua mensagem no endereçoFALE CONOSCO.

Participe e exerça sua ‪#‎cidadania‬!!!
Não deixe de Ligar e solicitar a inclusão da PEC 534/02 na ordem do dia.

ranking camera







Pelo site no endereço: Fale com o Deputado
Guardas Municipais prometem intensificar o cerco até prender o principal autor da tentativa de homicídio na Estação do MOVE



Suspeito de assalto dentro da estação do Move é preso pulando roleta na Av. Antônio Carlos

Wanderson Ribeiro Cotosck, 22 anos, foi preso por infração contra o patrimônio, mas a participação dele no crime do dia 30 será investigada. Ele foi reconhecido por guardas municipais por causa do vídeo que registrou o assalto a um cuidador de idosos. A vítima foi esfaqueada




Um dos suspeitos de assaltar e esfaquear homem em estação do Move é preso



No vídeo, suspeito preso nesta sexta aparece de camisa escura ( Fotos: Guarda Municipal/Divulgação)
Homens da Guarda Municipal prenderam, na tarde desta sexta-feira, um dos suspeitos de ter assaltado e esfaqueado o cuidador de idosos Breno Lincoln Batista, de 30 anos, na estação Odilon Behrens do Move, na última segunda-feira.

O suspeito, identificado como Wanderson Ribeiro, foi detido quando tentava pular a catraca da mesma estação, na Avenida Antônio Carlos, Bairro Lagoinha. Wanderson tem de 22 anos, é morador de rua e usuário de crack. Ele foi reconhecido pela mesma equipe da Guarda Municipal que atendeu a ocorrência segunda-feira.
Aos policiais, o rapaz admitiu que estava na cabine no momento que o cuidador de idosos foi esfaqueado. Contudo, negou participação no assalto. Além disso, disse conhecer o autor das facadas das ruas.

Apesar de negar participação no assalto, no vídeo, o homem preso aparece nas imagens conversando com o autor das facadas. Ele, inclusive, foge da estação junto com o suspeito.

Assista ao vídeo:


quarta-feira, 4 de março de 2015

CONGM E SINDGUARDAS-MG REALIZAM AGENDA NO STF EM DEFSA DAS GCM'S DO BRASIL



A CONFERÊNCIA NACIONAL DAS GUARDAS MUNICIPAIS DO BRASIL
CONGM E O SINDGUARDAS-MG : INFORMA:
No dia 02 de Março de 2015 realizamos intensa e proveitosa agenda oficial em Brasília ESPECIALMENTE NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
Supremo Tribunal Federal (STF).
Realizamos uma agenda memorável no gabinete do Ministro Gilmar Mendes relator da ADI 5156 , onde fomos recebidos pelo representante da equipe técnica e o Excelentíssimo Juiz Assistente Jurandir Pinheiro. Entregamos um memorial de documentos estatísticos dos trabalhos das Guardas Civis Municipais de Diversos Estados para demonstrar a importância e necessidades da continuidade desses serviços à população principalmente no tocante atuação da GCM no exercício da fiscalização de Trânsito. O magistrado representante após receber nossa representação e apontamentos quanto a Ilegitimidade da entidade (FENEME) propositora da Ação de Inconstitucionalidade, deixou-nos cientificados que o mérito desta Ação, se quer será julgado caso seja reconhecido a Ilegitimidade desta instituição, outro sim favorável por se tratar poder discricionário da STF é a previsão de aceitação das Entidades manifestantes como amicus curae em favor da Legalidade e Constitucionalidade da LEI 13022 de )8 de agosto de 2014. Considerando o cenário mais favorável e sendo reconhecida a ilegitimidade da FENEME a ação perderá automaticamente seu efeito.
Agenda composta pelo Presidente da Conferência Nacional das Guardas Municipais Oséias Francisco o Presidente do Sindicato dos Guardas Municipais do Minas Gerais, Sr. Pedro Bueno e o Diretor Sr. Renato; O Presidente do IPECS Sr. Sergio França; O Comandante da Guarda Civil de Mauá Sr. Carlos Conígero e o Comandante da Guarda Civil de Goiânia Sr.Passos. Contamos com a contribuição da Inspetora Roseane Costa e do apoio do Gcm AgneloPaiva.


CONGM E SINDGUARDAS SOLICITA ANATEL GRATUIDADE PARA A POPULAÇÃO ACIONAR GM 153 NO BRASIL


A CONFERÊNCIA NACIONAL DAS GUARDAS MUNICIPAIS DO BRASIL
CONGM E O SINDGUARDAS-MG : INFORMA:
No dia 02 de Março de 2015 realizamos intensa e proveitosa agenda oficial em Brasília

ANATEL – Realizamos reunião com a Dra. Marilda Moreira Superintendente Executiva da Agência Nacional de Telecomunicações. Nossa pauta foi a liberação da linha 153 para as Guardas Municipais do Brasil conforme previsão da lei 13.022/2014. A ANATEL trabalha com duas categorias: Serviço público e serviço de emergência e urgência. Antes da aprovação da lei e até hoje as Guardas Municipais eram inseridas na categoria de serviços públicos o que não dava o direito a gratuidade ao serviço para a população que o fizesse uso. Na reunião apresentamos a lei 13.022 para a Dra Marilda Moreira dando ênfase aos incisos XIII e XIV do artigo 5 da lei, o que coloca a Instituição Guarda Municipal na categoria de serviço de Urgência e Emergência possibilitando assim o direito a GRATUIDADE e acesso aos serviços essências para a população da Nação brasileira .

Encaminhamento:
A ANATEL fica a partir dessa reunião recomendada a termo de solicitação reorgarizar os sistema e as normativas a fim de criar as condições burocráticas para o uso do serviço essencial a toda a população.
Agenda composta pelo Presidente da Conferência Nacional das Guardas Municipais Oséias Francisco, o Presidente do Sindicato dos Guardas Municipais do Minas Gerais, Sr. Pedro Bueno e o Diretor Sr. Renato; O Presidente do IPECS Sr. Sergio França; O Comandante da Guarda Civil de Mauá Sr. Carlos Conígero e o Comandante da Guarda Civil de Goiânia Sr.Passos. Contamos com a contribuição da Inspetora Roseane Costa e do apoio do Gcm AgneloPaiva.


CONGM E SINDGUARDAS-MG ENCERRA EM BRASÍLIA CICLO DE REUNIÕES ESTRATÉGICAS
COM A POLÍCIA FEDERAL




A CONFERÊNCIA NACIONAL DAS GUARDAS MUNICIPAIS DO BRASIL
CONGM E O SINDGUARDAS-MG : INFORMA:
No dia 02 de Março de 2015 realizamos intensa e proveitosa agenda oficial em Brasília

Departamento de Polícia Federal.
Realizamos reunião com o Diretor Executivo da Polícia Federal Dr. Rogério Augusto Viana Galloro. Essa reunião foi o fechamento da nossa agenda estratégica com o DPF, onde realizamos reuniões nas Superintendências dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro E no DF em Brasília. Na Pauta o convênio, registro, portes funcional e particular e reformulação da lei 10826. Houve amplo debate das demandas e o Diretor reconhece a necessidade legítima dos Guardas e aponta para grave omissão da lei em amparar a expedição do porte em determinadas circunstâncias . No que cabe ao Departamento foi proposto os seguintes encaminhamentos:

O DIRETOR EXECUTIVO fará uma reunião com todos os Delegados Superintendentes do País nos dias 23 a 27 de Março tendo como pauta prioritária a discussão e construção de um diretriz nacional orientadoras para as ações dos Delegados Federais a partir da nova lei 13.022/2014.
O DIRETOR EXECUTIVO. Noticiou-nos que já adotou como medida para tornar mais célere os processos, a descentralização das decisões sobre os pedidos de registro e porte, delegando aos delegados superintendentes a decisão final. Essa ação abrevia o trâmite porque sempre o processo iria até o Departamento em Brasília para ter um posicionamento o que torna mais demorado.
O DIRETOR EXECUTIVO, para sanar questões técnicas em respeito a demanda das Guardas Municipais foi também solicito ao recebimento de carta oficio da Frente Parlamentar que hora debate intensamente sobre a proposta de revogação do Estatuto do Desarmamento e criação do Estatuto das Armas de Fogo.
Agenda composta pelo Presidente da Conferência Nacional das Guardas Municipais Oséias Francisco, o Presidente do Sindicato dos Guardas Municipais do Minas Gerais, Sr. Pedro Bueno e o Diretor Sr. Renato; O Presidente do IPECS Sr. Sergio França


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015


LUTO NA GMBH


Nota de pesar
É com muito pesar que o Singuardas/MG comunica que faleceu o Guarda Municipal Humberto de Jesus Ferreira , em acidente na MG 30 em Nova Lima. O Sindicato lamenta a morte do Guarda Municipal Humberto de Jesus Ferreira e manifesta condolências a todos os familiares e amigos
Humberto de Jesus Ferreira, tinha 36 anos, era Guarda Municipal de Belo Horizonte estava no coletivo que seguia para a capital a trabalho. Ele teria sido arremessado para fora do coletivo e faleceu. Ele trabalhou por três anos na GM de Nova Lima, e atuava na corporação de BH há cerca de oito anos. Humberto era casado e deixa três filhos. 



quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

 Novo grupo de Operações Especiais da Guarda Municipal de Curitiba (Força Tática Operacional).

Conforme anunciamos em 08/01/2015 um novo Grupo de Operações Especiais, 
pode dar inicio neste ano de 2015, este grupo já começa a tomar forma e vem para 
somar em favor a segurança pública, juntamente com os demais Grupos existentes 
hoje em nossa corporação. 
Fotos Fonte Facebook

Eu GM Reginaldo Diniz, particularmente tenho muita orgulho 
da nossa instituição e aprecio a 
criação desta nova equipe, creio que só vem a somar em nossa 
instituição e em favor da população de bem.


  Esta é a Força Tática da 

Guarda Municipal de Arapongas PR

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

30/01/15 - Por Dennis Guerra: Na tarde desta sexta (30) a equipe da 
ROCAM do 29° localizou um suspeito pelo assassinato da GCMF 
Paola. Saiba mais ao final desta matéria. Aproveitando esse momento,
 (Postagem original em 29/01/15) Na tarde de hoje, ocorreu o 
sepultamento da GCMF Ana Paola Teixeira - Mãe, esposa, 
filha, amiga... guerreira. Não quero aqui simplesmente reportar uma 
notícia - quero ir além e compartilhar sentimentos. Faço isso em 
nome de algo que considero um divisor de águas. Hoje estou exausto - 
emocionalmente - mas não posso deixar isso para outro momento. 
Ontem, por volta das 21:00, quando seguia para o velório, sentia uma 
sensação estranha. Foi naquela 



região que iniciei na GCM. Ali, reencontrei colegas daquela época - lembranças do início na atuação policial.
Lembro-me da Paola. Lembro-me do início do relacionamento entre ela e o Roberto. Lembro-me de ambos 
juntos. Os anos passaram e eles constituíram uma linda família. Conforme chegavam as informações dessa 
tragédia naquela manhã, as reações das pessoas seguiam na mesma proporção. Tamanha indignação não se 
limitaria aos colegas da GCM/SP, além dos familiares, é claro. Ela se estendia a integrantes de outras forças 
policiais. Ela repercutira por uma parcela da sociedade que ainda consegue vislumbrar o momento crítico que 
vivemos. Era mais um crime covarde, cruel e indigno da raça humana.

Durante a entrevista concedida pelo marido da vítima ao programa Brasil Urgente, eu me peguei pensando: eu 
não seria capaz de transmitir tanta luz em minhas palavras. Quem seria capaz de ter tanta iluminação 
espiritual em um momento como aquele? Ele foi capaz. Na manhã de hoje, as movimentações vistas para 
comparecer ao velório foi outro fato de de imensa importância. Infelizmente, já estive presente em muitos 
momentos como esse, mas em poucos presenciei algo assim. Isso significa que os outros tiveram menos
importância? Lógico que não. Isso significa que algo precisa ser feito, pois não aguentamos mais! 


"Quinta feira, 29 de Janeiro, 09:30 horas, Saindo agora da Igreja Batista pela Av. Buturussú, onde está 
ocorrendo o velório da GCM Ana Paolla Teixeira que foi morta ontem com tiros na cabeça, onde fui 
prestar minhas condolências e meu apoio a toda família e aos amigos GCM que se encontravam 
presentes. Uma situação muito triste, que nos deixa sem qualquer palavra de consolo para 
o marido, os dois filhos e demais familiares e amigos que perderam uma pessoa tão querida. 
O pior é que nada é feito para evitar esse genocídio de policiais que está ocorrendo. Tenham certeza 
de que continuarei na batalha para mudar essa hipocrisia nacional..." Por Deputado Estadual Paulo 
Telhada -Facebook

No velório, as palavras do pastor foram um alento. O subcomandante da GCM/SP, Inspetor Vanderlei, 
estavam abaladas pela dor. Mais uma vez, o Roberto, juntamente com o seu filho (um sobrevivente, já na 
tenra idade, considerando que o algoz de sua mãe ainda tentou assassiná-lo) foram além das possibilidades.


Não eram eles que precisavam de alento. Éramos nós, e eles nos confortaram... 

Algo além disso me chamou a atenção: a família permitiu durante todo o tempo a presença de equipes de jornalismo no local. Normalmente, os familiares preferem preservar tais momentos. Eles fizeram diferente, como se aquilo servisse como um alerta para nós policiais, para a sociedade, para a própria mídia e para os governantes.


"Em homenagem a essa mulher guerreira, virtuosa, valorosa, mãe, esposa e profissional. Paola você foi um anjo azul entre nós e como anjo iluminado volta para os braços do pai". Por Luciane Miquelin


 


O cortejo foi algo que, no íntimo, não te deixa esquecer a importância da vida policial e o que ela significa. Cerca de 1000 metros da avenida tiveram o seu trânsito desviado para alocar as inúmeras viaturas e veículos particulares que participariam do cortejo. Além de São Paulo, equipes das guardas municipais de Ferraz de Vasconcelos, Santo André, Guarulhos, Itaquaquecetuba e Polícia Militar estiveram presentes. Só podemos dizer muito obrigado!








Durante o sepultamento, sociedade civil, guardas municipais, representantes do legislativo municipal (Vereador Ari Friedenbach e Vereadora Edir Sales) e policiais militares compartilhavam tristeza, indignação, dor... e esperança.































Fotos: Dennis Guerra e Cipriano

Esperança de que nós, como sociedade, possamos dar um basta em tanta violência e impunidade. 
Esperança de que famílias não sejam destruídas, esperança de que o mal não vença, nunca!

E durante uma breve conversa, um colega desabafou: "Infelizmente, amanhã tudo isso será esquecido.
 A página será virada. Uma outra vítima chamará a atenção... eu vejo isso a anos. Isso ocorre a cada
 assassinato - a cada execução".

Eu, como muitos, espero ver nesse momento um divisor de águas. Que as mudanças se iniciem por nós
 mesmos. Nós, policiais - independente do uniforme - e sociedade, tomemos as rédeas desse jogo. Ele 
está pesando apenas para um lado. Temos que reverter essa situação. 

"Por um atentado em outro país, o mundo se comoveu. Por um traficante, presidentes e embaixadores
 ficaram estarrecidos. E por mais uma vítima da criminalidade, da covardia, da mais deplorável 
demagogia e benefícios aos mau-feitores, poucos ficam indignados. Onde estão os cartazes com 
dizeres fortes? Onde está a mídia, a não ser para o sensacionalismo? Onde está a indignação 
que a pouco adentrava aos nossos lares? Hipócritas e demagogos, infelizmente estamos no Brasil". 
Por Flávio - WhatsApp

Para que isso ocorra, nós policiais temos que iniciar uma pequena revolução. Uma revolução interior, em 
cada um de nós: uma infinidade de atitudes pequenas, incompetências micro e macro, comportamentos 
mesquinhos, devem ser postos de lado. O material humano deve ser o ponto principal - e não políticas 
passageiras. A preocupação com o colega deve ser algo inerente à função. Essa preocupação deve ser
 institucionalizada sim, mas deve começar por nós. 

Além disso, políticas eficazes de combate ao crime - que não cairão do céu, mas pressionando os nossos 
governantes. Legislação que não proteja o criminoso, e sim a vítima. É imprescindível uma reforma séria 
na Justiça brasileira - que só perde em efetividade/incompetência para países em estado de catástrofe ou em
 guerra.

Quando isso acontecer, parceiro, aí sim seremos um. Quando o meu interesse estiver abaixo do interesse 
coletivo, só então poderemos reverter tudo isso.

Até lá, quem dentre nós será a próxima vítima? 

Eu, sinceramente, não sei se era o melhor que eu poderia escrever 
agora. 
Mas é a única coisa que consigo pensar.


O Repórter Fotográfico GCM Sérgio IR-CT fez a última entrevista com a 
GCMF Paola

Na ocasião da SIPAT - Ermelino Matarazzo



O Dia 

E hoje foi assim ... dia de comoção ...
Dia de emoção a flor da pele
Dia de dor de revolta dia de adeus
Dia pra se esquecer
Dia de ser lembrado todos os dias
Dia que faltou ate fôlego
Dia que a ultima nota não veio
Dia que não deu pra segurar o choro
Dia que sugou tudo de mim
Dia que me faltou forças
Dia de contrição
Dia de luto
Dia de velório
Dia de pêsames
Dia de sepultamento
Dia que a vida se curvou pra morte
Dia de repensar valores
Dia pra refletir na vida
Dia pra não se acostumar jamais
Dia de ver ali um corpo imóvel
Dia de desejarmos viver
Dia dessa certeza não nos deter
Dia de quem ali jaz
Que dias assim não se tornem cotidianos


Por Elieser Santos



Para que a sociedade nunca esqueça quem são os seus guardiões!